O Pepineiro do Diabo

martes 31 enero 2017

   O pepineiro bravo ou pepineiro do diabo, Ecballium elaterium, é uma planta rasteira, tóxica para o ser humano.

              

   Esta planta cresce nas zonas do Mediterrâneo, à beira dos caminhos, entre ruínas ou junto às matas, em lugares sombrios o parcialmente à sombra.

   As suas folhas são acinzentadas, grossas e irregulares, com forma semelhante à de um coração. O verso é áspero devido à presença de pêlos duros, desagradáveis ao tacto.

   O pepineiro do diabo floresce durante o verão. As suas flores são brancas com a zona central amarela ou todas de um único tom amarelado. Têm 5 pétalas, forma ligeiramente acampanada e medem cerca de 2,5 cm de diâmetro.

                      

   O fruto, o pepino do diabo, tem uma característica forma ovoide, medindo entre 4 a 5 cm de comprimento e a pele coberta por pequenos pêlos espinhosos. À medida que vai amadurecendo, vai inchando, pouco a pouco, como resultado de um aumento da pressão no seu interior. Quando está completamente maduro, a pressão interior faz com que a pele rompa, abrindo-se um pequeno orifício através do qual as sementes são lançadas a distâncias consideráveis, que podem chegar aos 3 m. Quando o pepino do diabo está maduro até o mais leve contacto pode provocar o seu rebentamento.

   Toda a planta é tóxica, contendo elaterina e cucurbitacina, dois compostos muito tóxicos de efeito purgante. A sua toxicidade aumenta com o calor.

  A sua ingestão pode causar graves transtornos gastrointestinais, com hemorragias e se consumido em grandes quantidades pode inclusivamente provocar a morte.

   Antigamente o líquido contido no interior do pepino do diabo era utilizado como expectorante ou para aliviar casos de sinusite ou de reumatismo.




www.facebook.com/huellasdemicha/

 






Enviar un comentario

nombre:
correo electrónico:
url:
Su comentario:

sintaxis html: deshabilitado